Resenha: Superman: Red Son

história em quadrinhos:
Mark Millar
Price:
$12 USD

Reviewed by:
Rating:
5
On 20 August, 2012
Last modified:21 August, 2012

Summary:

Uma história em quadrinhos alucinante misturando super-heróis clássicos e temas como política e história alternativa. Todo o enredo parte da simples premissa "E se o Super-Homem tivesse crescido na União Soviética?". Uma obra perfeita para fãs ou neófitos nos quadrinhos.

Cover of the comic book Superman Red Son

Um belo dia eu lembrei que eu adoro quadrinhos e que por ventura eu estou morando nos Estados Unidos onde por acaso esse tipo de obra é acessível. Me sentindo feito um babaca trancado num quarto escuro num dia de sol eu resolvi dar uma chance aos quadrinhos daqui. Mais especificamente aos quadrinhos de super-heróis.

Apesar de eu gostar mais de quadrinhos europeus e nipônicos, eu já li alguma coisa de quadrinhos americanos, de Disney a Will Eisner, só que eu sempre ignorei os de super-heróis. Sempre achei difícil levar a sério alguém com super-poderes desproporcionais ou com cueca por cima da calça. Foram as adaptações pro cinema (sobretudo o Watchman do Zack Snyder e os Batmans do Christopher Nolan) que me despertaram a curiosidade de ler quadrinhos de super-heróis outra vez.

Dito isto, eu deixo claro que sou um aventureiro neófito no universo dos quadrinhos de super-heróis. Assim como eu não acho crível as pessoas cantarem e sapearem no meio da rua mas faço um concessão poética ao assistir musicais eu farei uso do mesmo artifício para aceitar os super-poderes e uniformes dos super-heróis. Munido disto eu fui procurar por onde começar e todos os dedos apontaram numa pilha de títulos que incluem o tal Superman: Red Son  de Mark Millar.

Todo o rico enredo parte da premissa “E se o Super-Homem tivesse crescido na União Soviética?”.

Não é uma premissa nada absurda se você lembrar as circunstâncias que o Super-Homem chegou à Terra. Você provavelmente sabe que o Super-Homem, então um bebê alienígena chamado de Kal-El vindo do planeta Krypton, ele chegou por aqui em uma cápsula espacial. Onde essa cápsula espacial caiu? Nos Estados Unidos, mais precisamente no Kansas na cidade de Smallville. Mesmo uma pequena diferença no ângulo de entrada na atmosfera ou na velocidade da nave, fariam toda a diferença. No caso do Superman: Red Son, a capsula caiu na União Soviética.

(Já parou pra pensar que o Super-Homem, o herói dos Estados Unidos da América, é um imigrante ilegal? Não tem nada a ver com Red Son mas foi algo percebi durante a leitura.)

Eu vou me abster de qualquer detalhe além dessa premissa para não ir além do que já está explícito na capa ou nas primeiras páginas. Eu posso garantir que as consequência da premissa exposta acima vão muito além do uniforme do Super-homem. Eu também posso revelar que essa é a história em quadrinhos de super-heróis mais alucinante e inteligente que eu já coloquei as mãos até hoje. O roteiro é só envolvente e cheio de sacadas geniais. Há muitas referencias ao universo dos super-heróis, eventos políticos, e auto-referencias que você precisa ler novamente pra perceber (e ainda assim sem estragar a primeira leitura). E tem um final… um final, que eu só posso fizer que o final é capaz de explodir sua cabeça e espalhar seus miolos por toda a sala.

mind blowing gif

A edição de capa de papel tem 160 páginas (podia ter muito mais) e custa cerca de 12 obamas. Há também uma edição de capa dura para colecionadores que eu muito provavelmente serei obrigado a comprar. Há também uma versão em “revista em quadrinhos animada” (um espécie de desenho animado com defeitos de formação) mas eu recomendo você ir direto pro quadrinho. Isso só mostra a plasticidade dessa história e como é possível adaptar ela para outras mídias. A história é tão rica que poderia ser quebradas em várias outras obras. Kick-Ass, outro quadrinho do Mark Millar já foi adaptada para o cinema antes.

Superman: Red Son me mostrou que quadrinhos de super-heróis podem ser bem mais do que eu pensava antes. É uma obra com começo meio e fim, e fechada em si própria, ela é suficiente para ser lida mesmo que você, assim como eu, não conheça muito sobre o universo dos super-heróis. O traço e as cores são lindos também. Eu recomendo muito que você coloque as mãos em um exemplar e permita sua mente explodir também.

5 thoughts on “Resenha: Superman: Red Son

  1. Li quadrinhos da Marvel e DC de 1993 a 2000. Parei de ler porque as revistas estavam cada vez mais caras e as histórias cada vez piores: roteiros ruins, onde todo mundo morria e ressuscitava, e desenhos que pareciam mangás (se eu quisesse mangás eu comprava mangás, porra!).

    Recentemente eu comprei alguns e peguei alguns emprestados também. Já devem ter te mandado atrás do Frank Miller, mas eu vou te recomendar assim mesmo: procure The Dark Knight Returns (tem uma continuação, de 2002, horrível, mas a original da década de 80 é massa) e qualquer coisa do Demolidor feita por ele.

    Queria te recomendar algo do Homem-Aranha, meu personagem predileto, mas a Marvel é ruim de fazer arcos isolados para leitores novos.

  2. :?: Espero que seja diferente da maioria das HQs americanas. São “irrealismo capitalista”, tão chato quanto o “realismo socialista”.

  3. Oi Oswaldo, essa revista em especial é sim bem diferente da maioria. O irrealismo dela serve bem a um propósito e não são o tema principal. Existe um mundo imenso de quadrinhos, americanas ou não, que fogem do esteriótipo comum associado aos quadrinhos. É um mundo fantástico.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>