Skip to content

Author: Silveira

Hi, I'm a developer, lover of art and freedom (more). I write mostly about technology and pixel art.

A gente tem uma mala de emergência para quando precisamos de fantasias. Hoje precisamos de fantasias de última hora e improvisamos em cima de roupas de piratas pra fazer um soldado colonial e uma cigana.

#halloweencostume #halloween #diadasbruxas.
Instagram: https://ift.tt/2yJurCW

assine um jornal

Quando aqui o Trump ganhou, haviam dúvidas sobre o que era bravata, o que era campanha, opinião pessoal ou estratégia. Para cada sentença que ele já havia dito ele também havia dito outra em contradição. Às vezes ele se contradizia com algo que havia dito anos atrás, às vezes dias atrás, às vezes minutos atrás, às vezes dentro de uma mesma sentença. O subreddit /r/TrumpCriticizesTrump é inteiro dedicado a encontrar contradições antigas e novas.

desenho meu, tema inchaço

Logo na cerimônia de empossamento, começou uma polêmica trivial. O comparecimento de público na cerimônia do Trump foi baixo.

Bobagem, né? Quem se importa? A inauguração é em janeiro, frio pra caramba, eu tava me tremendo na inauguração do segundo mandato do Obama em 2013. Frio, segurança pesada, metrô lotado. Além disso, demograficamente a região ao redor de Washington não é eleitora do Trump. Eles teriam que viajar de longe. É completamente compreensível um comparecimento baixo.

Bem, a administração do Trump se importou, e muito. Primeiro Trump disse que aquela havia sido a maior cerimonia de posse da história. Começa uma polêmica. O Sean Spicer, secretário de imprensa na época, fez uma coletiva: “Esse foi o maior público de uma inauguração tanto presencialmente quanto ao redor do mundo”. E mais, “Essas tentativas de diminuir o entusiasmo da inauguração são vergonhosas e erradas”. Só que todo mundo sabia que não era o caso, as evidencias apontavam pro outro lado, logo ou a Casa Branca estava errada ou estava mentindo, e tinha que ser o primeiro até porque alguém iria mentir sobre uma bobagem dessas?

kellyanne conway alternative facts

O óbvio tamanho inferior da inauguração é provado por um ciclo jornalistico de comparação de fotos, fotos aéreas, dados de público no metrô, e tudo que se podia encontrar sobre o tema. Então Kellyanne Conway, porta-voz da Casa Branca, vem a público em uma entrevista onde ela diz que a Casa Branca não estava nem mentindo nem errada mas apenas apresentando “fatos alternativos”. E é aí que as coisas começam a ficar interessantes. Esse não foi só um exercício pontual de absurdismo mas o inicio de um modus operandi que alguns chamam de “firehosing“, como em uma mangueira de incêndio, mentir em grandes quantidades.

O Vox fez uma matéria interessante sobre esse tema onde ela elenca quatro características principais do “firehosing”:

  1. Mentiras em grande quantidade.
  2. Mentiras rápidas, contínuas e repetitivas.
  3. Nenhum compromisso com a realidade objetiva.
  4. Nenhum compromisso com consistência.

Nos meses que se seguiram a mangueira de mentira ficou ligada diariamente. Não existe a possibilidade de eu listar todas as mentiras aqui. Mentiras sobre trivialidades, mentiras grandes, mentiras pequenas, mentiras de todos os tamanhos. Os “fatos alternativos” começam a ser chamados de “fake news” e em pouco tempo a Casa Branca se apropria do termo para chamar tudo e qualquer coisa de “fake news”, que vira um jargão. A maioria dos jornais sequer consegue entender o que está acontecendo a dedicam boa parte do seu tempo em desmentir as mentiras da semana passada, para dar espaço de desmentir as mentiras de ontem, enquanto as mentiras de hoje estão sendo despejadas. Uma consequência é que o Trump consegue de uma maneira peculiar controlar a narrativa.

Como a matéria prima dos jornais é a realidade objetiva, os jornais foram declarados “inimigos do povo” por Trump. Com exceção de alguns poucos veículos que juram uma espécie de lealdade ao líder supremo, os jornais e os jornalistas são atacados diariamente.

A estratégia parece ser a seguinte:

  • Tudo é mentira. Tudo é verdade.
  • Eu já menti, você já mentiu, eles já mentiram, quem não mente?
  • Ei, eu sou do seu time, vamos ficar com a nossa verdade (e as nossas mentiras).

Então Rudy Giuliani, então advogado de Trump, em entrevista defende a estratégia de não deixar Trump dar um depoimento sob juramento porque ele seria incapaz de não mentir, e Giuliani solta “a verdade não é verdade”. Entre “fatos alternativos” e “a verdade não é verdade” fica claro que a própria realidade objetiva está sob ataque. Também se cria uma normalização da mentira, se assume que o Trump vai mentir, é o que ele faz quando a boca dele mexe, e todos os lados passam a aceitar isso. O que acabaria com a carreira de qualquer outro político pra ele é só mais uma quarta-feira.

E em boa parte funcionou. Cada indivíduo que passa a não confiar mais na realidade, nos jornais, agora confia em veículos alternativos de informação dedicados a espalhar mentiras e teorias da conspiração, em correntes de redes sociais, e isso cria uma realidade alternativa que parece impenetrável.

They Live, 1988, John Carpenter

Pra piorar isso tudo os jornais, na tentativa de parecerem mais equilibrados e imparciais, caem no viés do falso equilíbrio. No falso equilíbrio você dá voz aos dois lados em uma mesma proporção na tentativa de parecer mais equilibrado, e com isso diminui as evidências da realidade objetiva. O antídoto parece ser o que disse a Sally Claire:

“Se alguém diz que está chovendo, e outra pessoa diz que não está, seu trabalho não é citar os dois. Seu trabalho é olhar na porra da janela e descobrir o que é verdade.”

Essa é uma boa dica pra quem escreve sobre chuva ou sobre realidade. No mesmo tema, Hannah Arendt escreveu:

O objeto ideal do governo totalitário não é o nazista convicto ou o comunista convicto, mas pessoas para quem a distinção entre fato e ficção (isto é, a realidade da experiência) e a distinção entre verdadeiro e falso (isto é, os padrões de pensamento) não existem mais.

Por outro lado, se você acordou agora e descobriu que isso também está acontecendo no seu país eu não tenho nenhuma formula mágica mas tenho algumas dicas que eu acho que podem ajudar:

  1. Assine um jornal. Como tantas coisas nessa vida o jornalismo precisa melhorar, mas ficamos muito pior sem o jornalismo e sem um quarto poder. Nós precisamos de jornalistas e o jornalismo precisa ser viável, alguém tem que comprar o jornal. Não mate o jornalista de fome.
  2. Aliás, não mate o jornalista. Não chute o jornalista, não jogue pedra no jornalista, no sentido literal. Bônus: você pode usar essa dica em várias circunstâncias na sua vida só trocando a palavra jornalista.
  3. Procure saber da verdade, se o jornal mentir, cobre a verdade do jornal. Procure entender como você está procurando essa verdade, essa verdade é verdade mesmo?
  4. Tenha um pouco de ceticismo mas não tenha ceticismo demais. Cheque as fontes de compartilhar algo. Tem pelo menos fonte? Essa fonte é de um meio respeitado que existe a meio século ou é um blog meia-boca como esse meu? Por outro lado, ceticismo demais e a realidade te escapa. Você vai achar que tudo é feito por atores, por conspiradores mundiais, e esse é um caminho sem volta.
  5. Quando você vê uma mentira, chame ela de mentira. Não chame de polêmica, de causo, de confusão, chame de mentira mesmo. Outros temos suavizam e normalizam a mentira. Chame a mentira de mentira.

#gift #day28 #inktober #inktober2018 #penrose #penrosetriangle #penrosetribar #ink #drawing #pigmamicron #tombow #tombowdualbrushpens #pigmagraphic.
Instagram: https://ift.tt/2PsklQs