Skip to content

Author: Silveira

Hi, I'm a developer, lover of art and freedom (more). I write mostly about technology and pixel art.

Papeis de parede para celular

Finalmente consegui recuperar algumas coisas que estavam em um cartão MMC do meu antigo Nokia 6600.

Achei vários papeis de parede que eu usava nele. A maioria é de tamanho 174×132. Quase todos são de paisagens litorâneas. :D

praiapraiapraiapraialinux xIlhapraiapraiapraialitoralilhaareiaáguapexinhosnevepraiapedrasentardecerpôr do solcéu roxoÁrvore

Também achei esse papel de parede que eu tinha feito de uma foto minha e da Deborah:

Eu e a Deborah se beijando

Sei que foi feito no Gimp e era um papel de parede para computador mesmo. Já os arquivos originais sabe-se lá por onde andam.

Uma carreta sobe uma estrada …

Questão: Uma carreta sobe uma estrada cuja inclinação em relação à horizontal é de 30°, a uma velocidade de 40km/h. A força resistiva é igual a 0,75 do peso da carreta. Que velocidade teria a mesma carreta se descesse a estrada com a mesma potência?

Resposta:

Generalizando, vou chamar o ângulo de Θ e o coeficiente da orça resistiva de ψ.

Subida
Figura 1 – A subida

Essa força resistiva não é exatamente o atrito, porque se fosse o atrito teríamos de calcular as componentes do peso para descobrir a normal. O trabalho exercido por essa força resistiva é igual a força ψ·m·g vezes a distância d.

Na subida:
Ea=Eb
onde

  • Ea = m·v²/2 + Em
  • Eb = m·v²/2 + m·g·h + ψ·m·g·d

A carreta ira de um certo ponto A para um certo ponto B com uma mesma velocidade, a inércia pode cuidar disso. Mas a carreta precisa de alguma energia para converter em energia potencial gravitacional e na energia gasta pelo atrito. Essa energia vamos chamar de Em, a energia do motor. A carreta já parte com essa energia guardada para ser transformada em outras formas de energia. Podemos ver isso como o combustível do veículo. Note que nenhuma energia aparece ou se perde.

Igualando as duas equações temos:

  • m·v²/2 + Em = m·v²/2 + m·g·h + ψ·m·g·d

cortando a energia cinética dos dois lados e como h = d·senΘ:

  • Em = m·g·d·senΘ + ψ·m·g·d

colocando d em evidência:

  • Em = d·(m·g·senΘ + ψ·m·g)

A potência do motor na subida é dada pelo trabalho desenvolvido pelo motor dividido pelo tempo levado para subir do ponto A até o ponto B.

  • Pm = Em/t

Como eu não tenho esse tempo eu posso dizer que o tempo é igual à distância dividida pela velocidade.

  • Pm = Em/(d/v)
  • Pm = Em·v/d

Substituindo Em:

  • Pm = d·(m·g·senΘ + ψ·m·g)·v/d
  • Pm = (m·g·senΘ + ψ·m·g)·v
  • Pm = v·m·g·(senΘ + ψ)

Na descida:

Descida
Figura 2 – A descida

Usando o mesmo raciocínio e notação da subida temos:

Ea=Eb
onde

  • Ea = m·v²/2 + ψ·m·g·d
  • Eb = m·v²/2 + m·g·h + Em

igualando as duas equações:

  • m·v²/2 + ψ·m·g·d = m·v²/2 + m·g·h + Em
  • ψ·m·g·d = m·g·h + Em
  • Em = ψ·m·g·d – m·g·h

Como h = d·senΘ:

  • Em = ψ·m·g·d – m·g·d·senΘ
  • Em = d·m·g·(ψ – senΘ)

A potência do motor é dada pelo trabalho sobre o tempo:

  • Pm = Em/t

Novamente não conhecemos o tempo mas sabemos que ele é a distância sobre a velocidade, que vou chamar de v linha para diferenciar da velocidade da carreta na subida:

  • Pm = Em/(d/v’)
  • Pm = Em·v’/d

Substituindo Em:

  • Pm = d·m·g·(ψ – senΘ)·v’/d
  • Pm = v’·m·g·(ψ – senΘ)

Como queremos que a potência na subida seja igual a potência na descida, igualamos as equações das potências:

  • v·m·g·(senΘ + ψ) = v’·m·g·(ψ – senΘ)
  • v·(senΘ + ψ) = v’·(ψ – senΘ)
  • v’·(ψ – senΘ) = v·(senΘ + ψ)
  • v’ = v·(senΘ + ψ) / (ψ – senΘ)

Note que nesse problema, a velocidade na descida só depende da velocidade na subida, o coeficiente da força resistiva e do ângulo Θ.

Calculando para v = 40km/h, ψ = 0,75, Θ = 30º e senΘ = 0,5.

  • v’ = 40km/h·(0,5 + 0,75) / (0,75 – 0,5)
  • v’ = 40km/h·1,25 / 0,25
  • v’ = 200km/h

Criando uma galeria de imagens com Python

Esse é um script que eu uso muito rotineiramente. Eu escrevi ele porque eu tentei várias soluções mas nenhuma era exatamente o que eu precisava e o que eu preciso é geralmente bem simles.

Só quero pegar um monte de fotos de várias resoluções diferentes e gerar uma página em HTML com as miniaturas das imagens com largura de 500 pixeis e com o link para a imagem original. É uma implementação bem simples, sem muita sofisticação. Eu coloco aqui porque ele é fácil de adaptar para outros usos.

#!/usr/bin/env python
import os
import Image
 
cwd = os.getcwd()
for arquivo in os.listdir(cwd):
   if arquivo.endswith('.JPG'):
      im = Image.open(arquivo)
      im.thumbnail((500,375), Image.ANTIALIAS)
      nome = arquivo.split('.')[0]
      tnome = nome + "_thumb.jpg"
      im.save(tnome, "JPEG")
      print '<a href="%s"><img src="%s"/></a><br/>' % (arquivo, tnome)

Ele procura os arquivos do diretório que terminam com .JPG, cria uma miniatura de tamanho 500 por 375 e cospe o HTML na saída padrão. Para usar ele, entre no terminal do diretório onde você quer fazer a galeria e execute o script:

python galeria.py > saida.html

Ele cria galerias bem simples como essa ou essa.

Lançamento do Plano Diretor de Tecnologia da Informação da Prefeitura de Fortaleza

Fui hoje para o primeiro dia de apresentação do PDTI da prefeitura de Fortaleza. Estavam lá várias figurinhas carimbadas do Software Livre daqui de Fortaleza. Estavam presentes o Eder Marques, o Lucas Filho, o Hélcio Brasileiro e vários outros colegas.

Para quem não sabe, a prefeitura de Fortaleza tem gradativamente trocado os sistemas proprietários que existiam na máquina administrativa, hospitais e escolas por Software Livre e soluções baseadas em padrões abertos.

Para ilustrar isso, em janeiro de 2005 haviam 54 laboratórios de informática na prefeitura. Hoje, cortando gastos com software proprietário há 158 laboratórios. Dentre várias outras situações completamente precárias que se encontrava toda a TI na prefeitura de Fortaleza.


Cristiano Terrier fala sobre as dificuldades e soluções encontradas.

No geral os tópicos que eu achei interessantes:

  • A economia de licensa de software possibilitou fazer grandes investimentos em equipamento, treinamento e desenvolvimento.
  • Esses gastos ficam em sua maioria no Ceará.
  • O PDTI é um documento livre disponível sob licença Creative Commons.
  • As licitação de software para a prefeitura não vão exigir só a licença de uso do software mas também seu código fonte sob GPL!
  • Há a proposta de se criar um repositório daqueles softwares livres desenvolvidos para a prefeitura.
  • As licitações dos projetos de cultura da prefeitura vão exigir licença Creative Commons do trabalho.

Amanhã acontecerá a segunda parte do evento, a partir das 8 horas no mesmo local, auditório da FIEC na rua Barão de Stuart, 1980, aldeota. Alí em frente ao Capitão Mustarda.


Marcelo Branco dando uma entrevista pra Tv Fortaleza, que cobriu o evento.

O bom mesmo foi a palestra do Marcelo D’Elia Branco falando sobre “sociedade em rede”. Foi uma palestra incrível sobre redes, filosofia, informática, web, direitos autorais, software livre e tudo mais.

Um ponto que eu achei muito interessante foi o seguinte relato do Marcelo: após uma exposição à filosofia do software e cultura livre o pessoal ligado a informática costumam ser os mais resistentes ao apoio dessas causas. É algo muito interessante porque reunindo algumas das minhas experiências isso parece de fato acontecer.

Foi um papo muito bom mesmo.

Uma outra coisa importante é que o Marcelo está organizando (com Sérgio Amadeu também) o Campus Party Brasil, a maior festa da tecnologia do mundo agora no Brasil!



Que tal juntar um pouco de iniciativa e coragem e montarmos uma caravana aqui de Fortaleza para participar do evento?

bônus 1: o restante das fotos que eu tirei está aqui.
bônus 2: O Eder fez esse post falando mais sobre o evento.