silveira neto

carbon-based lifeform. virgo supercluster

Menu Close

quebrei meu braço

A comunidade “Nunca quebrei um osso” acaba de perder um membro.

punho quebrado

braço engessado

A tradicional Taça PET da Computação é um evento de confraternização onde anualmente eu provo minha brasilidade jogando um pouco de futebol no time Eu Podia Tá Matando (onde os jogadores por obrigações contratuais também não podem exercer o limite de um dia de futebol por ano). Mantemos também outras tradições como batalhar pelo último lugar, termos o artilheiro (no número de gols em módulo) do campeonato e é claro enfrentar nossos rivais e arqui-inimigos Nerdproud. Você pode conferir a cobertura do campeonato de 2007 e 2008 (já que em 2009 por motivos de preguiça maior não pude jogar o que levou o time a um desbalanceamento drástico que fez com que ele chegasse à final do campeonato).

Uma outra tradição do torneio e do nosso time é manter uma boa média de lesões por jogo. O Heraldo já quebrou o braço (até hoje não entendi porque estávamos dividindo uma bola se éramos do mesmo time) e o Marco já teve uma contusão no braço. Inclusive se alguém tiver contato com alguma operadora de  plano de saúde estamos aguardando sermos sondados para patrocínio.

Na edição de 2010 abrimos o campeonato contra os Pequenos (o time dirigido pelo professor Marcelino e tradicionalmente está envolto em polêmicas quanto à sua regularidade na competição). Nos primeiros 2 segundo de jogo numa disputa de bola fui atropelado. Sem muita experiência na fina arte de cair no chão eu me apoiei com o braço direito e fiquei com uma dor no antebraço. Nós não tínhamos jogadores reservas e eu não tinha idéia que meu rádio estava fraturado. Segurando com meu braço esquerdo o meu braço direito decrépito eu aguardei o final do primeiro tempo para conseguir gelo. Como também me faltava experiência em quebrar ou fraturar ossos (meus) eu achava que iria doer bem mais quando acontecesse. Fui dirigindo até o hospital do jeito que deu. O resultado taí. Feliz ao ser informado pelo traumatologista que dos 2 milímetros de desvio do escafoide faltaram um para uma cirurgia mais séria. Soube depois que o mesmo time também acrescentou ao saldo mais dois dedos quebrados.

Já troquei o gesso por essa bela órtese que me permite alguns movimentos como escrever esse texto e em seis semanas posso voltar a dirigir.

braço órtese

Tchau!

© 2016 silveira neto. All rights reserved.

Theme by Anders Norén.